• Portugues
  • English
  • Spanish

Aos 70 anos, a albatroz Wisdom retorna ao Atol de Midway para mais uma temporada reprodutiva

 

Considerada a ave mais longeva do mundo, a albatroz-de-laysan reencontrou seu parceiro em novembro e já cuida de seu novo ovo

Do inglês, o nome de Wisdom significa ‘sabedoria’. Talvez este seja o segredo da longevidade da Albatroz-de-laysan (Phoebastria immutabilis) que de tempos em tempos retorna ao Atol de Midway, localizado no Monumento Nacional Marinho Papahanaumokuakea, no Oceano Pacífico, para dar continuidade a sua espécie. Este mês, após mais de dois anos em alto-mar, ela colocou mais um ovo em seu ninho com o parceiro Akeakamai - que, do idioma havaiano, quer dizer ‘apaixonado pelo conhecimento’.

Os albatrozes são aves com comportamento monogâmico, ou seja, apesar de ficarem meses separadas sobrevoando milhares de quilômetros em busca de alimento, retornam ao ninhal a cada um ou dois anos, variando conforme a espécie, em busca do mesmo parceiro.

Os albatrozes-de-laysan, por exemplo, colocam um único ovo por vez, e se revezam por 130 dias entre a incubação do ovo e as longas viagens ao mar para se alimentar.

Cada filhote, quando alcança a maturidade sexual, por volta dos oito anos, também retorna à ilha e constrói seu ninho próximo de onde nasceu. 

Segundo pesquisadores que acompanham a trajetória de Wisdom, a estimativa é que ela tenha botado entre 30 e 36 ovos durante a vida. E, seguindo o padrão de reprodução dessas aves, é provável que hoje o ninho do casal de albatrozes esteja cercado por seus próprios filhos.

Sabedoria

O nome de Wisdom faz justiça à sua longevidade tranquila no oceano, que ano após ano traz novas ameaças à sobrevivência dos albatrozes e petréis - principalmente a poluição por plástico e outros dejetos que põem em xeque as futuras linhagens da espécie.

Wisdom foi identificada pela primeira vez e anilhada por pesquisadores em 1956, quando acreditava-se que ela já tinha pelo menos cinco anos de idade. Desde então, sua presença no atol é frequente, e seus ovos, bem sucedidos.

O mais longevo albatroz identificado até hoje é uma inspiração para biólogos de todo o mundo. Isto porque, apesar dos desafios da conservação da espécie e ameaças como o risco de captura incidental pelos barcos de pesca, a introdução de roedores que se alimentam dos ovos e filhotes nas ilhas em que se reproduzem, a poluição marinha e a escassez de peixes em algumas regiões, Wisdom tem conseguido sobreviver graças à sua experiência no habitat onde vive.

De acordo com o Dr. Dimas Gianuca, coordenador científico do Projeto Albatroz, patrocinado pela Petrobras, os albatrozes-de-laysan são uma das espécies mais impactadas pelo lixo marinho ao redor do mundo. “Por este motivo, é tão importante realizar ações de pesquisa e educação ambiental, bem como investir em mecanismos que assegurem a utilização das medidas mitigadoras da captura incidental na pesca e do descarte de lixo no mar”.

 

128439764_1319094141788533_1477653786706020979_o 1_cTfJX1JQEebn8DW7_A0Wnw

Leia mais

+ Notícias

R3 Animal, Projeto Albatroz e ICMBio

Projeto Albatroz e ICMBio assinam acordo para coor...

Termo também prevê a implementação da curadoria do Banco Nacional de Amostras Biológicas de Albatrozes e Petréis em parceria com o órgão federalFoi assinado esta...

17/12/2020 Leia mais
albatalks Bycatch

Especialistas discutem captura de albatrozes no ‘D...

Projeto Albatroz promoveu uma edição especial da #Albatalks com Tatiana Neves e Dr. Dimas Gianuca para falar sobre a interação dos albatrozes e petréis com a pes...

15/12/2020 Leia mais

+Projeto
Albatroz

Seja um voluntário

Leia mais