• Portugues
  • English
  • Spanish

Workshop do Common Oceans Tuna Project cria uma base de dados internacional sobre captura de albatrozes

Foto Noti?cias_Workshop COTP

Com o objetivo de apresentar os dados mais recentes sobre o panorama da captura incidental de aves marinhas nos âmbitos global e nacional, pesquisadores brasileiros e estrangeiros, representantes do governo do País e organizações ambientais se reuniram com o Projeto Albatroz, patrocinado pela Petrobras por meio do Programa Petrobras Socioambiental, e a Birdlife International (África do Sul) para um workshop do Common Oceans Tuna Project. O encontro foi realizado na Universidade Veiga de Almeida (UVA), onde se encontra a base mantida pelo Projeto, na cidade de Cabo Frio (RJ), na última semana.

Implantado pela Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO), o projeto internacional tem o objetivo de conseguir eficiência e sustentabilidade na produção de atum e conservação da biodiversidade nas Áreas Além da Jurisdição Nacional (ABNJ), por meio de uma abordagem ecossistêmica na pesca deste peixe. Portanto, é incluída em sua pauta também a conservação de albatrozes e petréis, aves oceânicas ameaçadas de extinção.

O evento foi conduzido pela coordenadora geral do Projeto Albatroz, Tatiana Neves, e o representante da BirdLife International (África do Sul), Ross Wanless. Representantes de ambas as instituições revezaram-se em palestras cujo intuito era debater a mortalidade destas aves nos mares brasileiros, assim como a necessidade de integrar informações sobre o tema.

Segundo Wanless, das várias atividades realizadas no encontro, uma delas se destacou pela sua importância. “Um ótimo resultado do nosso workshop foi o acordo para a combinação de bases de dados de diversos parceiros em prol de um objetivo comum, que é entender a captura incidental de aves oceânicas na pesca de espinhel brasileira”.

Já para a coordenadora do Projeto Albatroz, a grande representatividade do evento contribuiu para que ainda mais entidades pudessem ajudar com seus dados sobre a pesca para um grande banco sobre o tema. “Nós notamos que uma série de outros institutos, universidades e projetos também poderiam ser colaboradores deste grande pool de dados”, explica. O Projeto Albatroz, como representante nacional do encontro, fará o contato com estas entidades.

Entre os participantes do evento, estavam membros do Ministério do Meio Ambiente (MMA), BirdLife International, Projeto Albatroz, Projeto Tamar, Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA), Centro Nacional de Pesquisa e Conservação das Aves Silvestres (Cemave), Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), Secretaria Especial de Aquicultura e Pesca (SEAP), Universidade do Vale do Itajaí (UNIVALI), Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC), entre outros.
 

POOL DE DADOS

A grande base de dados tem como objetivo reunir o maior número possível de informações para a realização de estudos estatísticos.  Especialistas modelarão tais dados a fim de compreender a realidade da conservação de albatrozes e petréis, além de criar subsídios para novas estratégias de proteção - não só no Brasil, mas também em todo o Oceano Atlântico Sul Ocidental.

Três tipos de dados farão parte do banco, segundo Tatiana Neves: 

>> Pesca: distribuição do esforço da pesca, tipos de pescarias realizadas no Brasil, épocas do ano com mais atividade e locais onde são realizadas.

>> Captura incidental: número de mortes de albatrozes por tipo de arte de pesca, especialmente na de atuns.

>> Ocorrência de albatrozes e petréis na costa brasileira.

“As propostas de modelagens estatísticas feitas no evento tiveram o intuito de mostrar aos participantes como é importante ter dados consistentes e quais resultados podem ser alcançados com eles”, afirma Tatiana. Eles podem ser utilizados, por exemplo, para definir áreas e espécies prioritárias de proteção, época do ano e local com maior atividade pesqueira, entre outras informações.

O resultado deste workshop não é importante somente para o Common Oceans Tuna Project, como também é uma das ações previstas no novo texto do Plano de Ação Nacional para a Conservação de Albatrozes e Petréis (Planacap), definido em reunião recente e que deverá ser executado dentro dos próximos cinco anos.

Foto Noti?cias_Workshop COTP 2 Foto Noti?cias_Workshop COTP 3

Leia mais

+ Notícias

WhatsApp Image 2019-08-14 at 16.28.09 (1)

Exposição ‘Vida no Mar’, do Dr. Dimas Gianuca, che...

Mostra segue até março do ano que vem com 11 fotografias registradas pelo coordenador científico do Projeto Albatroz em suas expedições de pesquisaApós uma tempo...

14/08/2019 Leia mais
Ti?-sangue Ramphocelus bresilius - Foto Ciro Albano - SAVE Brasil

O que fazer quando encontrar uma ave silvestre na ...

Diversas espécies de aves silvestres nativas da Mata Atlântica podem acabar no meio urbano, correndo risco de morte. Saiba o que fazer e a quais órgãos recorrer ...

14/08/2019 Leia mais

+Projeto
Albatroz

Seja um voluntário

Leia mais