• Portugues
  • English
  • Spanish

Planacap foca na conservação de albatrozes que interagem com a pesca

Foto Noti?cias_Reunia?o Revisa?o Planacap_2

Documento lançado oficialmente em 2006, o Plano de Ação Nacional para a Conservação de Albatrozes e Petréis (Planacap), passou por um segundo encontro para a revisão de sua estrutura. A oficina reuniu pesquisadores no Centro de Pesquisa e Conservação da Biodiversidade Marinha do Nordeste (Cepene), em Tamandaré (PE). O novo texto do Planacap entrará em vigor no próximo mês, por meio de portaria. O documento trará mudanças no que diz respeito à estratégia de proteção das aves da ordem dos Procellariiformes, albatrozes e petréis.

Antes, o Planacap abrangia a responsabilidade de proteger o habitat de reprodução de todas as aves oceânicas. Agora, as ações foram divididas em dois planos.  Elaborado com a participação do Projeto Albatroz patrocinado pela Petrobras por meio do Programa Petrobras Socioambiental, o Planacap estará focado na conservação do ecossistema marinho, em especial dos albatrozes e petréis que interagem com a pesca; enquanto o Plano de Ação Nacional (PAN) das Aves Marinhas se responsabilizará pelas demais aves que vivem nos oceanos brasileiros e seus locais de nidificação.

As 12 espécies protegidas pelo Planacap serão: albatroz-viageiro, albatroz-de-tristão, albatroz-real, albatroz-real-do-norte, albatroz-arisco, albatroz-de-sobrancelha-negra, albatroz-de-nariz-amarelo, pardela-preta, pardela-de-óculos, petrel-gigante-do-sul, petrel-gigante-do-norte e a pardela-grande-de-sobre-branco.

O plano também passará a incluir a interação destes animais oceânicos com as pescas de espinhel de superfície, espinhel de dourado, linha de mão, vara com isca viva e rede de emalhe.

 

Ameaças e objetivos

Para atualizar os objetivos do Planacap, os participantes da oficina identificaram as principais ameaças à vida de albatrozes e petréis para delimitar as ações necessárias para conservá-las. Entre as ameaças estão: pesca, ingestão de plástico, mudanças climáticas e patógenos.

Segundo a coordenadora do Projeto Albatroz Tatiana Neves, as novas estratégias de conservação estabelecidas pelo documento alinham o trabalho do Planacap às metas do Acordo Internacional para Proteção de Albatrozes e Petréis (Acap). “As ações descritas no texto do plano têm o prazo máximo de execução de cinco anos, entre 2018 e 2022. Mas isso é variável. Existem ações mais e menos complexas”, explica.  

Os objetivos estão voltados ao desenvolvimento de pesquisas e políticas públicas sobre a população destas aves, além da criação diretrizes de Educação Ambiental para pescadores e agentes de fiscalização.

O Planacap estabeleceu quatro novos objetivos, que nortearão o trabalho do Projeto Albatroz nos próximos cinco anos. São eles:

>> Assegurar o uso de medidas mitigadoras na pesca e fiscalização das embarcações, visando diminuir a captura incidental de albatrozes e petréis;
 

>> Promover pesquisas científicas focadas na incidência, comportamento e mortalidade destas espécies nos mares brasileiros para criar estratégias de conservação;
 

>> Construção de políticas públicas nacionais sobre o combate do lixo nos oceanos e a criação de um banco nacional de amostras de albatrozes e petréis pela parceria entre o Projeto Albatroz e o ICMBio;
 

>> Promover a Educação Ambiental para jovens e outros públicos através de uma comunicação eficiente, além de realizar formação e treinamento de pescadores, agentes de fiscalização da pesca e observadores de bordo.

 

Encontros para reestruturação

Desde a publicação do primeiro texto do Planacap, estão previstos encontros para acompanhar o cumprimento de ações e objetivos. Anualmente, o Projeto Albatroz e demais representantes se juntam para a reunião de monitoria do plano. E, a cada cinco anos, para reestruturar o documento, a fim de adequá-lo às novas necessidades.

Dezoito pessoas fizeram parte da oficina de revisão do Planacap, que aconteceu nos últimos dias 27 e 28 de novembro. Entre os participantes, estão representantes do Projeto Albatroz, Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA), Centro Tamar, Centro Nacional de Pesquisa e Conservação das Aves Silvestres (Cemave), Ministério do Meio Ambiente (MMA), Polícia Federal, setor pesqueiro, pesquisadores e universidades.

O Grupo de Acompanhamento Técnico (GAT) do Planacap é composto por Tatiana Neves (coordenadora executiva - Projeto Albatroz), Patrícia Serafini (coordenadora geral - Cemave), ICMBio e Projeto Tamar.

Foto Noti?cias_Reunia?o Revisa?o PLANACAP

Leia mais

+ Notícias

WhatsApp Image 2019-08-14 at 16.28.09 (1)

Exposição ‘Vida no Mar’, do Dr. Dimas Gianuca, che...

Mostra segue até março do ano que vem com 11 fotografias registradas pelo coordenador científico do Projeto Albatroz em suas expedições de pesquisaApós uma tempo...

14/08/2019 Leia mais
Ti?-sangue Ramphocelus bresilius - Foto Ciro Albano - SAVE Brasil

O que fazer quando encontrar uma ave silvestre na ...

Diversas espécies de aves silvestres nativas da Mata Atlântica podem acabar no meio urbano, correndo risco de morte. Saiba o que fazer e a quais órgãos recorrer ...

14/08/2019 Leia mais

+Projeto
Albatroz

Seja um voluntário

Leia mais